Um homem com uma dor é muito mais elegante. Caminha assim de lado, como se chegando atrasado, andasse mais adiante. Carrega o peso da dor, como se portasse medalhas. Uma coroa, um milhão de dólares ou coisa que os valha. Ópios, édens, analgésicos. Não me toquem nessa dor. Ela é tudo o que me sobra. Sofrer vai ser a minha última obra.

(Fonte: n-i-g-h-t-s)

(Fonte: flo-reando)

Estou confuso. Muito confuso. Tem um abismo. Sim, daqueles bem fundo ainda. Estou na beira. Até parece que aprendi a dançar balé clássico, pois estou na ponta dos pés, uma mão tentando manter o equilíbrio, e a outra segurando o mundo. E também, tem aquela vontade insana de sumir, de me enfiar em um buraco, ou me jogar desse abismo para ver o que me aguarda. Já disse que estou confuso? Cansado também. Com fome, não. Não estou com fome, normalmente não sinto fome, não sinto vontade de comer mais nada. Queria dormir, como eu queria! Queria virar a bela adormecida também e tirar um cochilo dos deuses, porém, por favor, sem príncipes, e nem princesas. Não quero acordar de mal-humor. E dormir ultimamente é umas das coisas que venho gostando e praticando bastante. Porém, não o suficiente para me saciar. Parece que o ponto final da minha história já foi traçado, agora só falta ter paciência para ir lendo devagar, pois está porvir dias longos e horas incontáveis.
A gente fala de amor como se soubesse o que isso significa. Ninguém sabe, meu bem. Amor é meio como a incógnita daquela equação de vestibular que a gente até sabe qual é, mas não consegue produzir o raciocínio correto para achá-la. Amor é meio que adulto que ainda acredita em Papai Noel e recebe presentes todos os anos de alguém que não se sabe quem. Amor é meio que recortar corações de papéis vermelhos e prender na capa do caderno sem ter um nome escrito dentro deles. Amor é meio mistério, meio certeza, meio “eu-não-sei-o-que-estou-fazendo”, meio “vai-ser-você-pra-sempre”. Amor é amor único, amor que se repete, amor que já foi embora e depois voltou, amor que se perdeu de vista e disse Adeus. Amor é tanta coisa e eu nunca consegui entender tanta coisa de uma só vez.
Primeiramente se ame. Goste do seu corpo, da sua voz e do seu jeitinho. Aceite a mania que você tem de se apegar ou se desapegar. Goste do seu cabelo seja ele ondulado, crespo, liso, enrolado… Fique contente ao se vestir, pois você se veste para si mesmo; para se agradar. Goste do seu andar e do seu falar. Seja sua voz fina, grossa, roca, ou de qualquer outra maneira.Goste do seu andar seja ele torto, reto, apressado ou lento. Ame o seu peso, e caso não se contente, se esforce até gostar. Se contente com sua altura. Se contente com você e com o seu eu. Se contente com seus jeitos e manias.Goste do seu sorriso, pode ser tortinho, amareladinho, mas sorrir faz parte da felicidade. Goste da maneira como gesticula ou como pega gírias rapidamente. Goste de sua mania de sentir. Goste da sua maneira de demonstrar ou não o amor. Goste de você. Ame a si mesmo. Ame. Ame mesmo.

Anonymous said: Teria como pedir para os seus seguidores de quotes deem like?

Creio que sim.

Me dê um beijo, meu amor
Hoje eu tenho cem anos
E meu coração bate como um pandeiro num samba dobrado
Vou pisando asfalto entre os automóveis
Mesmo o mais sozinho nunca fica só
Sempre haverá um idiota ao redor
Me dê um beijo, meu amor.

Zeca Baleiro 

(Fonte: longanimidades)

(Fonte: vinstage)

Se você plantasse os próprios sorrisos na tua alma vez ou outra, talvez não se decepcionasse tanto com amores que secam e morrem, paixões que surgem do nada e do mesmo nada somem. E com certeza você não iria mais chorar, por borboletas traiçoeiras que beijam-te o riso, te mostram o paraíso, e vão embora pra nunca mais voltar.