No primeiro dia você checa o telefone, a caixa de entrada, a campainha, todas essas coisas, a cada dois minutos. No dia seguinte, de cinco em cinco. Na terceira data, você passa a conferir tudo somente a cada meia-hora. Uma semana depois e você está olhando seu e-mail apenas duas vezes ao dia, uma bem cedo e outra antes de deitar mentalmente cansado. Passado um mês inteiro e você se flagra que permaneceu todo esse tempo escorado na sua poltrona feito um pudim, assistindo a vídeos, bebendo cervejas e esperando a vida dar na mesma. A parte boa é que você se dá conta que sobreviveu, conseguiu se arrastar até o outro lado do pântano e nem foi tão difícil assim, algo impensável no início de tudo. E agora está pronto pra ir a qualquer lugar, sair com quem ainda quiser sair contigo.
Eu acredito em rosa. Eu acredito que rir é o melhor queimador de calorias. Eu acredito em beijar, beijar muito. Eu acredito em ser forte quando tudo parece estar dando errado. Eu acredito que as meninas felizes são as meninas mais bonitas. Acredito que amanhã é outro dia e eu acredito em milagres.

(Fonte: a-men0)

Sei de uma criatura antiga e formidável, que a si mesma devora os membros e as entranhas, com a sofreguidão da fome insaciável. Habita juntamente os vales e as montanhas; e no mar, que se rasga, à maneira de abismo, espreguiça-se toda em convulsões estranhas. Traz impresso na fronte o obscuro despotismo. Cada olhar que despede, acerbo e mavioso, parece uma expansão de amor e de egoísmo. Friamente contempla o desespero e o gozo, gosta do colibri, como gosta do verme, e cinge ao coração o belo e o monstruoso. Para ela o chacal é, como a rola, inerme; e caminha na terra imperturbável, como pelo vasto areal um vasto paquiderme. Na árvore que rebenta o seu primeiro gomo vem a folha, que lento e lento se desdobra, depois a flor, depois o suspirado pomo. Pois essa criatura está em toda a obra: cresta o seio da flor e corrompe-lhe o fruto; e é nesse destruir que as forças dobra. Ama de igual amor o poluto e o impoluto; começa e recomeça uma perpétua lida, e sorrindo obedece ao divino estatuto. Tu dirás que é a morte; eu direi que é a vida.

(Fonte: fi-xa-cao)

volatum disse: Já falou de mim, vadia?

Já sim, vaca.

liricismo disse: Liricismo / nunca mais o senhor Dan veio falar comigo :x

Essa menina possui a mania feia de me abandonar.

Anônimo perguntou: incolumo

Nunca vi ninguém tão perfeito.

Anônimo perguntou: birdlonely

Ele é bem engraçado e sábio. 

indoormess disse: Denude - Indoormess?

Não lhe conheço, pequena.